Caho Lopes

Por Bela Backes

Imagine uma pessoa obstinada pela vida e que prefere dar crédito às pessoas ao invés de julgá-las. Que faz de cada objetivo um propósito fiel. Comprometido com seus valores, é justo e tem como de um de seus maiores valores a humildade e a gratidão.

Conhece as dificuldades da vida. Já morou na rua, enfrentou o preconceito e a solidão, mas mesmo diante de tantos entraves, nunca deixou de ser aquela mesma pessoa de bom coração.

Coração esse que não vê limite para amar, ajudar o próximo e para cultivar bons sentimentos.

Mesmo com o céu cinza, consegue ver lá distante as estrelas surgindo e já prevê, para a alegria e o conforto de todos, a volta do sol.

Imagine um homem que lutou bravamente contra as drogas e resolveu expor seu sofrimento diante de todo o país sob a forma de alerta. Ele pedia ajuda, mas não para si mesmo. Pedia que a sociedade acolhesse e conscientizasse seus jovens sobre o perigo das drogas.

Palestras nos anos 90

E mais do que isso, um bravo ativista e pioneiro na prevenção de drogas. Como escudos, os livros de sua autoria “Ala Fechada” e “Cara a Cara com as Drogas”. Foram mais de 1.800 palestras em todo o país. Incansável, foi voluntário em diversos grupos de autoajuda e clínicas para recuperação de dependentes químicos, além de continuar proferindo palestras para jovens e pais, principalmente, nas vilas e favelas de Porto Alegre.

Família